17 de agosto de 2009

Moniz e o PIB

É pouco discutível que Eduardo Moniz alterou o panorama televisivo português quando entrou para a TVI ainda no século passado, em dois grandes eixos: a aposta nos programas de realidade (e.g. Big Brother) e a aposta na ficção nacional (demasiadas novelas para mencionar).
Ele bem tentou a Informação, mas não correu bem.

Mas o que eu gostava de lançar com isco mental, é o que fez Moniz à música portuguesa?

A televisão e a música portuguesa nunca se deram bem, desde que me lembro. O Top+ bem tem tentado, mas a ideia de listas de música é ultrapassada e não faz sentido.

E para o caso de algum director de programas estar por aqui a ler (dúvido) deixo como sugestão: lançar aleatoriamente alguns vídeos de músicas ao longo da programação, como pequenas pérolas não esperadas. Aliás, este conceito é perfeitamente extensivel, a todas as curtas cinematográficas nacionais.

Mas voltando a Moniz. Com o aumento de ficção nacional veio também por tabela o aumento de música nacional. E não estou só a falar das bandas da casa como D'zrt e JustGirls, ou das canções rebuscadas para genéricos iniciais das novelas, mas do ímpeto que isso deu aos jovens artistas. É certo que Moniz não foi o único e fê-lo muito provavelmente sem intenção, outros actores estiveram em palco, como a grande popularidade da internet nesta década também teve o seu (bem) grande impacto.

Isto não pretende ser um estudo exaustivo, mas a ideia fica: num universo paralelo, sem Moniz na TVI, como seria o PIB musical actualmente?

Filipe Roque, 2009/08/17, 05:29