8 de março de 2010

Nesta semana, em grandes altas, Samuel Úria com o novo álbum «Nem Lhe Tocava»

Apesar de só agora ter chegado às lojas, o disco estava para ser editado há anos. No verão de 2008, por exemplo, Samuel Úria garantiu ao DN que ia ser lançado até Novembro. Acabou por editar o EP ‘Em Bruto’. Falava-se em Março do ano que vem, mas o desejo voltou a não se materializar. Finalmente, no final de 2009, eis que chega ao público o tão aguardado álbum «Nem Lhe Tocava», produzido por Tiago Guillul e gravado por Nélson Carvalho e Tiago Sousa.


Samuel nasceu em Tondela e tem hoje trinta anos. Passou por Coimbra, Leiria, Figueira da Foz e Évora, cidades que lhe acolheram a inspiração. «Nem Lhe Tocava» é fruto da estabilidade conquistada no último ano, quando o músico se mudou para Lisboa. É contudo, a sua cidade natal que lhe está presente na voz e nas canções.

Canta em sussurro ou em falsete, com distorção ou ao piano, com um humor castiço e com uma eloquente despreocupação.

«Nem Lhe Tocava», em parceria com a Valentim de Carvalho, conta ainda com participações especiais, como Celina da Piedade, Jorge Cruz, Luís dos Golpes e B Fachada, num total de 12 canções, talvez fáceis de ouvir, mas difíceis de digerir.

Como alguém disse, ‘Este rapaz é um Músico, em toda a profundidade da palavra!’.




Priscila Andrade, 2010-03-08, 00:10h